Eduardo Coudet, 45, é uma unanimidade. Não pelo seu trabalho como treinador, passível de discordâncias entre torcedores e atletas dirigidos por ele, mas por duas características sempre ressaltadas de sua personalidade.

Chacho, como o argentino é conhecido, Ã© um apaixonado por futebol. E também completamente louco.

Coudet comanda nesta terça-feira (4) o Internacional na estreia da equipe gaúcha na Copa Libertadores, contra a Universidad de Chile, às 18h, em Santiago (Fox Sports transmite), pela segunda fase eliminatória do torneio continental.

Pôr o Inter na fase de grupos da competição certamente o ajudará a ganhar o carinho do torcedor colorado, da mesma forma que ele conquistou, como jogador e técnico, o apreço de diferentes torcidas na Argentina.

​Chacho, apelido que ganhou de um amigo na infância que gostava de Chacho Cabrera, um ex-atleta do Vélez Sarsfield, começou sua carreira nas categorias de base do Platense.

Por causa do comportamento difícil na escola, seus pais decidiram mandá-lo para um psicólogo que, segundo o próprio Coudet, ficou sempre esperando. Isso porque seu consultório era muito próximo do Platense, para onde o garoto fugia em busca de bater uma bola. Foi fugindo de uma consulta que ele fez um teste e conseguiu entrar no clube.

“Era incrível a personalidade que ele já tinha de jovem. Um dos meus colaboradores me falou de um garoto muito atrevido na base. Nós o chamamos, ele começou a treinar com o time principal e, num jogo contra o Boca de [César Luis] Menotti, estreou”, conta à Folha Ricardo Rezza, o técnico que deu a Coudet sua primeira chance no futebol profissional.

O atrevimento não era mostrado apenas dentro de campo. Certa vez, o atleta decidiu sair dirigindo o ônibus do clube e, após não conseguir fazer uma curva em uma rua apertada próxima ao estádio, desceu do veículo e o deixou estacionado no meio da via.

“Gostava de travessuras”, diz dando risada o ex-treinador Rezza. “Em algum momento, tive que lhe dizer ‘cuidado', para não exagerar. Depois ele foi se controlando.”

Volante pela direita, o jogador, na época com cabelos longos, se transferiu ao Rosario Central, onde caiu nas graças dos torcedores. Aguerrido, mas também técnico, desenvolveu uma relação de amor com o clube. E uma de ódio com o Newell's, maior rival do Central.

“Um torcedor do Newell's a menos no mundo”, disse Chacho, em entrevista à Revista El Gráfico, quando questionado sobre aceitar na família um genro torcedor do adversário.

Campeão da Copa Conmebol no Central, ele passou ainda pelo San Lorenzo, onde também conquistou a torcida, antes de seu grande salto na carreira, no River Plate.

Na infância, por influência do pai, que era dentista do Boca Juniors, frequentou a Bombonera em jogos do time na década de 1980. Mas foi no Monumental de Nuñez que Coudet encontrou o seu lugar no futebol.

Na equipe de Buenos Aires,

 » Read More

close

Log In

Or with username:

Forgot password?

Don't have an account? Register

Forgot password?

Enter your account data and we will send you a link to reset your password.

Your password reset link appears to be invalid or expired.

Log in

Privacy Policy

Add to Collection

No Collections

Here you'll find all collections you've created before.

Login