Um mês após o anúncio de socorro aos clubes por parte da CBF (Confederação Brasileira de Futebol) para tentar mitigar os efeitos da paralisação do esporte durante a pandemia da Covid-19, jogadoras ainda vivem queda de braço com seus empregadores sobre os valores que deveriam ser destinados para o futebol feminino.

A CBF repassou R$ 1.920.000 divididos entre os 16 times da Série A-1 do Campeonato Brasileiro Feminino (R$ 120 mil para cada um) e R$ 1.800.000 para as 36 equipes da Série A-2 (R$ 50 mil por clube).

No dia 24 de abril, a colunista da Folha Renata Mendonça publicou que pelo menos 5 dos 52 times não repassaram nada do valor recebido para as atletas.

Jogadoras do Santos Dumont, equipe do Sergipe que disputa a segunda divisão nacional, abriram uma denúncia no Comitê de Ética da CBF alegando que não receberam o auxílio.

De acordo com a atacante e capitã Lígia Montalvão, que liderou a iniciativa, o presidente do clube, Jogival Melo Passos, ofereceu inicialmente um único aporte de R$ 500 para cada jogadora, referente aos meses de março, abril e maio.

Após negociação, o dirigente aumentou a oferta para R$ 1 mil pelo período. O valor total dos repasses, incluindo a comissão técnica, totalizaria cerca de R$ 35 mil. A justificativa do presidente para que não fosse investida a totalidade do auxílio da CBF no departamento de futebol feminino foi a necessidade de investimento em outros setores do clube.

“Ele [presidente] falou que ia investir no clube, que não tem sede, não tem estrutura, não tem campo, não tem profissionais. Dissemos que a pandemia não era culpa nossa. Ele não queria investir R$ 1 no clube e agora quer dinheiro para aplicar em estrutura? Que estrutura? Aí começou a nossa guerra”, afirmou Lígia.

O Santos Dumont conta com um investidor, o empresário Célio França, que assumiu a gestão do time feminino em novembro do ano passado. Ele afirma que mantinha 30 profissionais, entre atletas e comissão técnica, em uma casa na cidade de Carmópolis, onde ganhou ajuda da prefeitura. No início de 2020, a equipe se sagrou campeã sergipana.

O imbróglio com relação ao aporte da CBF ocasionou o desmanche completo do elenco. De acordo com Lígia, França realizou depósitos para ajudar algumas atletas que têm mais necessidade. Há, também, jogadoras que passaram a receber o auxílio emergencial de R$ 600 do governo federal.

“[O presidente] Jogival não foi a uma única partida, não conhece pessoalmente nenhuma atleta. Ele não gastou um centavo, nada. Temos atletas em casos de vulnerabilidade, a maioria delas é de origem pobre. Cabia à CBF pegar com o clube a relação de atletas e depositar diretamente na conta delas. Mas a CBF manda direto para o clube”, disse França.

Jogival afirmou que depositou o valor acordado (R$ 1 mil) com as atletas na última terça-feira (5). De acordo com elas, esse dinheiro ainda não está disponível em conta bancária para nenhuma das jogadoras.

 » Read More

close

Log In

Or with username:

Forgot password?

Don't have an account? Register

Forgot password?

Enter your account data and we will send you a link to reset your password.

Your password reset link appears to be invalid or expired.

Log in

Privacy Policy

Add to Collection

No Collections

Here you'll find all collections you've created before.

Login