in ,

Zagueiro se iguala a Zidane com gols decisivos nos acréscimos do 2º tempo

Fazer um gol decisivo nos acréscimos do segundo tempo é, para qualquer jogador, um feito considerável.

Arrancar o empate quando a partida já parecia perdida ou, até melhor, mandar para as redes um chute ou cabeceio que resulte no gol da vitória, é um momento marcante, de glória, para o futebolista.

Isso é frequente? Nem sempre.

Explico: o gol nos acréscimos, apesar de não ser visto em todo jogo, não é uma escassez no futebol; quase toda rodada de qualquer campeonato, no Brasil ou mundo afora, tem gol(s) no tempo extra do segundo tempo.

Só que nem sempre esse gol é relevante. Pode ou não ser. E, se não for, perde sua importância.

Um exemplo: um time está ganhando (por qualquer placar) e faz mais um gol – isso em nada afeta o resultado (vitória).

Outro exemplo: um time está perdendo por 2 a 0 e marca o chamado “gol de honra” –fica menos feio, mas o resultado (derrota) é o mesmo.

Era exatamente o que estava para acontecer em Everton x Newcastle, pela 24ª rodada da Premier League (o Campeonato Inglês), na terça-feira (21).

Atuando em casa, em Liverpool, o Everton ganhava por 2 a 0, gols de Moise Kean e Calvert-Lewin, até o fim do tempo regulamentar.

A partir daí, o árbitro Simon Hooper começou a contabilizar o tempo extra.

Os acréscimos no segundo tempo geralmente vão de três a quatro minutos, às vezes mais, quase nunca menos, a depender do número de substituições feitas nessa etapa (nesse confronto foram seis) e das paralisações para o atendimento de jogadores.

Um dos atletas que veio da reserva foi o zagueiro Florian Lejeune, do Newscastle, substituindo aos 25 minutos o também zagueiro Ciaran Clark, que tinha recebido cartão amarelo minutos antes.

O francês fez a parte dele na defesa, impedindo que o Everton ampliasse a vantagem, e, nos acréscimos, quando o visitante tentava evitar perder de zero, avançou para tentar algo na bola parada.

Improvável dar certo, pois ele não é um zagueiro-artilheiro, à la Sergio Ramos (Real Madrid), tendo marcado pela última vez no fim de janeiro de 2017, quando ainda defendia o Eibar, da Espanha.

Às favas para o improvável.

Lejeune (20) festeja com companheiros de Newscastle ao término do jogo com o Everton, no estádio Goodison Park, em Liverpool (Jason Cairnduff – 21.jan.2020/Reuters)

Eram 48 minutos do segundo tempo quando, depois de escanteio alçado na área do Everton, a redonda sobrou alta, na pequena área, às costas de Lejeune.

O camisa 20 não teve dúvida e, em lance acrobático, deu uma meia-bicicleta. Seu arrojo foi recompensado, e a bola parou nas redes de Pickford, goleiro titular da seleção da Inglaterra.

E seria isso, tão somente mais um gol de honra nos acréscimos entre tantos e tantos outros que aconteceram –tanto que Lejeune nem comemorou,

 » Read More

Report

What do you think?

Comments

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Loading…

0

5 Essential Characteristics of an Excellent Software Development Agency

What Are The Benefits of Using Hashtags in Marketing?