O Campeonato Alemão nunca ganhou tanta atenção do mundo do futebol como agora. Popular, mas acostumada a viver à sombra dos pares ingleses e espanhóis nos últimos anos, a Bundesliga, paralisada desde o dia 13 de março, retoma a sua disputa neste sábado (16), com seis partidas da 26ª rodada.

Será a primeira grande liga europeia a realizar jogos oficiais desde o estouro da pandemia de Covid-19. Exatamente por isso, atrairá diversos olhares, desde os curiosos, saudosos de ver bola rolando, até os de dirigentes e políticos de todo o planeta, atentos à eficácia ou não dos protocolos elaborados pelas autoridades alemãs para o retorno do futebol.

Pode ser a chance de consolidar globalmente um campeonato com alta média de gols e capaz de revelar jovens talentos (embora quase sempre dominado pelo Bayern de Munique), mas também de ficar marcado por expor atletas e demais envolvidos ao risco de contrair a doença.

Considerada exemplo de organização esportiva e financeira, a Bundesliga vem experimentando um crescimento substancial de receitas. Já são 15 temporadas consecutivas registrando recorde de arrecadação.

De acordo com o relatório econômico da DFL (Liga de Futebol Profissional da Alemanha) referente à temporada 2018/2019, pela primeira vez na história a liga superou 4 bilhões de euros, aumento de 5,4% na comparação com 2017/2018.

Apesar do crescimento, os alemães ainda faturam menos que a Premier League (inglesa) e LaLiga (espanhola). Os últimos relatórios financeiros publicados por elas, correspondentes à temporada 2017/2018, mostram um faturamento de 5,3 bilhões (cerca de R$ 33 bi em valores atuais) e 4,4 bilhões de euros (quase R$ 28 bi), respectivamente.

O que a Alemanha pode comemorar com relação às concorrentes é o fato de ter a melhor média de torcedores por jogo do mundo. Na última temporada, os clubes da Bundesliga registraram venda de 42.738 ingressos por partida. Dos 18 times que disputaram a elite, apenas um, o Hertha Berlim, apresentou taxa de ocupação inferior a 75%.

Estudo do CIES Football Observatory mostra que de 2013 a 2018 nenhum campeonato levou tanta gente ao estádio. No período, foram 43.300 espectadores em média por partida nos estádios da elite do futebol alemão, 36.600 na Inglaterra e 27.300 na Espanha.

Porém, neste momento de retomada e atenção global voltada ao país, os alemães não poderão mostrar ao mundo os seus estádios cheios.

A ausência de público e a diminuição do número de pessoas trabalhando em um dia de jogo são alguns dos pontos que integram o protocolo elaborado pela DFL para tentar diminuir os riscos de contágio do coronavírus, principalmente para os atletas.

No documento de 50 páginas com as diretrizes para a organização do futebol durante a pandemia, a liga estabelece um teto de 320 pessoas ao mesmo tempo nos estádios, que serão divididos em três zonas: campo, arquibancadas/cabines e área externa (pátio, portões e estacionamento).

Em cada zona, só será permitida a circulação de aproximadamente 100 profissionais,

 » Read More

close

Log In

Or with username:

Forgot password?

Don't have an account? Register

Forgot password?

Enter your account data and we will send you a link to reset your password.

Your password reset link appears to be invalid or expired.

Log in

Privacy Policy

Add to Collection

No Collections

Here you'll find all collections you've created before.

Login