É uma escolha sobre a qual ninguém no movimento olímpico deseja falar, mas está cada vez mais presente: uma Olimpíada de Tóquio disputada sem torcedores, com apenas 10 mil atletas competindo diante de mares de assentos vazios.

Com a difusão continuada do coronavírus, e um total de mais de três mil mortes e mais de 90 mil casos da doença documentados em todo o mundo, eventos esportivos sem a presença de torcedores estão a caminho de se tornar a nova norma.

Os torcedores não puderam assistir a uma etapa da Copa do Mundo da União Internacional de Biatlo, na República Tcheca, iniciada na quinta-feira (5). Na Itália, a principal liga de futebol do país teve neste final de semana jogos disputados em estádios vazios, sem torcida. Nesta segunda (9), o governo italiano decretou a suspensão das atividades esportivas no país. Como medida de segurança diante da epidemia do novo coronavírus, o primeiro-ministro Giuseppe Conte paralisou as competições “em todos os níveis” ao menos até o dia 3 de abril.

E na Inglaterra, onde os clubes da Premier League foram instruídos a evitar as trocas de apertos de mão que costumam acontecer antes dos jogos, também surgiram instruções para que eles se preparassem para disputar partidas sem torcedores.

Mas a maior questão no calendário esportivo de 2020 continua a ser a olimpíada no Japão, prevista para começar no dia 22 de julho. Na semana retrasada, a Organização Mundial da Saúde (OMS) realizou uma conferência telefônica com dezenas de dirigentes de saúde das federações esportivas internacionais que comandam as provas na olimpíada.

A discussão girava em torno dos piores cenários possíveis nos jogos olímpicos, e dos riscos e benefícios de uma olimpíada disputada sem torcida, de acordo com diversas pessoas informadas sobre a conversa, que durou quase duas horas, todas as quais pediram que seus nomes não fossem mencionados porque não estavam autorizadas a falar publicamente sobre uma conversa que a OMS caracterizou como privativa. Realizar torneios sem a presença de torcedores, com apenas dirigentes esportivos e jornalistas como espectadores, foi uma das opções discutidas para administrar os grandes eventos esportivos marcados para as semanas e meses que antecedem os jogos.

De acordo com as fontes, um especialista da OMS que participou da discussão disse que a coisa mais importante seria criar um processo de filtragem de participantes –atletas, torcedores e outros– e preparar um perfil de risco de países e regiões. Os participantes da conversa também discutiram os diferentes perfis de risco de esportes disputados a céu aberto e em ambientes fechados, bem como os de esportes de contato e esportes sem contato.

Tarika Jasarevic, porta-voz da OMS, se recusou a comentar sobre a conversa porque “a teleconferência não era pública”. Mas ele disse que o papel da OMS não é cancelar (ou permitir) qualquer evento esportivo, e sim simplesmente “oferecer orientação e recomendações de saúde pública racionais e de base científica”.

Na quarta-feira, Thomas Bach,

 » Read More

No Comments
Comments to: Coronavírus pressiona Olimpíada e esquenta debate sobre sua realização

Trending Stories

Scope of Fashion Industry Fashion has consistently been recognised to push the limits. With new ideas and trends, fashion has a focus on the future. The fashion industry will see enormous innovation in the upcoming years as modern technology, and changing customer demands and trends will transform the industry. With such stimulation and competition, the […]

Log In

Or with username:

Forgot password?

Don't have an account? Register

Forgot password?

Enter your account data and we will send you a link to reset your password.

Your password reset link appears to be invalid or expired.

Log in

Privacy Policy

Add to Collection

No Collections

Here you'll find all collections you've created before.

Login