Um dos efeitos mais imediatos da pandemia de coronavírus no futebol da Europa, seguido à suspensão de quase todos os campeonatos (o de Belarus é exceção), foi a preocupação dos clubes com suas finanças.

Vários alardearam que, se os jogadores não concordassem em reduzir seus salários temporariamente, haveria enorme dificuldade para manter a solvência, já que receitas com ingressos, TV, patrocínios e merchandising serão fortemente afetadas.

O apelo funcionou pontualmente.

Na Alemanha, Borusssia Mönchengladbach e União Berlim, este promovido nesta temporada à divisão de elite, anunciaram que seus atletas aceitaram abrir mão dos salários – no caso da equipe da capital, integralmente.

Atletas de Bayern de Munique e Borussia Dortmund, os dois principais times da Bundesliga, terão corte, consentido, de 20% em seus vencimentos.

Na Espanha tem havido resistência. O elenco do Barcelona dividiu-se em relação à medida, e o clube a impôs unilateralmente, abrindo margem para atritos com Messi e companhia.

O salário do argentino, camisa 10 e capitão do time da Catalunha, é de € 8,3 milhões (R$ 47,3 milhões) por mês, de acordo com o jornal francês L’Équipe.

Barcelona reducirá salario de sus jugadores ante la pandemia https://t.co/tNrkXtan4b

— Telemetro (@Telemetro) March 28, 2020

Atlético de Madrid e Espanyol também  reduzirão os ganhos dos futebolistas, independentemente de eles concordarem. “Há um único objetivo: assegurar a sobrevivência do clube”, justificou Miguel Ángel Gil Marín, diretor-executivo da equipe madrilenha.

Na Itália a Juventus, atual octocampeã, acertou-se com o elenco, e a economia com salários será, no período de quatro meses, de € 90 milhões (R$ 512,7 milhões).

Inclusive Cristiano Ronaldo aceitou colaborar: o português “sacrificou” € 3,8 milhões (R$ 21,7 milhões) de seu recebimento anual, que é, segundo o L’Équipe, de € 54 milhões (R$ 307,6 milhões).

O caso mais chamativo até agora aconteceu na Suíça.

O FC Sion, duas vezes campeão nacional, demitiu nove jogadores, ou um terço do elenco pricnipal, que se recusaram a ter o salário diminuído.

Três deles estiveram em Copa do Mundo: o zagueiro suíço (nascido na Costa do Marfim) Johan Djourou, o volante camaronês Alexandre Song, ambos ex-Arsenal (Inglaterra), e o atacante marfinense Seydou Doumbia.

Também tiveram os contratos rescindidos Ermir Lenjani, Xavier Kouassi, Mickaël Facchinetti, B

 » Read More

No Comments
Comments to: Na Suíça, negativa em cortar salário provoca demissão de 9 jogadores

Trending Stories

Scope of Fashion Industry Fashion has consistently been recognised to push the limits. With new ideas and trends, fashion has a focus on the future. The fashion industry will see enormous innovation in the upcoming years as modern technology, and changing customer demands and trends will transform the industry. With such stimulation and competition, the […]
close

Log In

Or with username:

Forgot password?

Don't have an account? Register

Forgot password?

Enter your account data and we will send you a link to reset your password.

Your password reset link appears to be invalid or expired.

Log in

Privacy Policy

Add to Collection

No Collections

Here you'll find all collections you've created before.

Login