O goleiro que usou meia-calça, as lágrimas que congelaram durante a partida e o cabelo blackpower branco de Paulo César Caju. Essas são algumas das histórias que o jornalista Henrique Porto conta no livro “Pé-frio, futebol e neve no Brasil”, com lançamento previsto para julho.

Um levantamento feito por ele de 2016 ao início deste ano, quando terminou a produção da obra, contabilizou oito jogos disputados sob neve no país, todos em Santa Catarina ou Rio Grande do Sul, na década de 1970.

A ideia de registrar essas partidas surgiu de uma pesquisa para o seu primeiro livro, “A primeira vez do moleque”, sobre a trajetória do Grêmio Esportivo Juventus, de Jaraguá do Sul (SC). Paulista de Jundiaí, Porto vive desde 1989 em Santa Catarina.

Enquanto revirava arquivos e jornais antigos para contar a história do Juventus catarinense, se deparou com o relato de um confronto entre Inter de Lages e Avaí disputado na neve, em 30 de maio de 1979. Foi o clique para iniciar seu segundo projeto literário.

“Pensei: ‘Isso aqui dá uma história legal’. Comecei a pesquisar e vi que tinha pelo menos mais uns dois ou três jogos mapeados. Sobre aquela noite de 1979, vi que fez frio no Brasil inteiro. Foi ali que comecei a mexer com essas histórias, e aí foram surgindo outras”, conta Porto à Folha.

Dos 8 jogos que conseguiu confirmar a presença da neve, 6 foram naquele 30 de maio de 1979, 3 pelo estadual catarinense e 3 pelo gaúcho. Um deles, inclusive, foi transmitido ao vivo para o Rio Grande do Sul. Esportivo e Grêmio, em Bento Gonçalves, teve transmissão da RBS TV, que registrou o empate em 0 a 0.

A equipe da serra gaúcha era comandada por Valdir Espinosa, que depois seria campeão da Libertadores e do Mundial com o Grêmio —ele morreu nesta quinta (27), aos 72 anos, em decorrência de complicações após uma cirurgia no abdômen.

O então ponta esquerda gremista Paulo César Caju, que também venceria as duas conquistas internacionais com Espinosa no comando, ficou com o seu blackpower todo branco.

O goleiro Jurandir, do Criciúma, apelou a uma peça de roupa pouco convencional para a prática do futebol, a fim de espantar o frio que fazia em Chapecó em uma noite de clássico com a Chapecoense.

“O Jurandir estava no hotel, frio para caramba, e pensou: ‘A mulherada, quando vai no baile e está frio, coloca meia-calça. Vou lá no centro comprar uma meia-calça e usar para jogar’. Ele ainda se garantiu forrando o corpo com todo o jornal que encontrou pelo caminho”, diz Porto. De meia-calça, Jurandir não conseguiu evitar a derrota de sua equipe por 3 a 2, que foi vista no estádio por 178 pagantes.

Com a nevasca que assolou a região naquela noite, a estrada tinha alguns trechos intransitáveis para carros comuns em razão da quantidade de neve. Essa situação forçou o árbitro da partida,

 » Read More

No Comments
Comments to: Neve fez goleiro usar meia-calça e Felipão tomar conhaque no vestiário

Trending Stories

Scope of Fashion Industry Fashion has consistently been recognised to push the limits. With new ideas and trends, fashion has a focus on the future. The fashion industry will see enormous innovation in the upcoming years as modern technology, and changing customer demands and trends will transform the industry. With such stimulation and competition, the […]

Log In

Or with username:

Forgot password?

Don't have an account? Register

Forgot password?

Enter your account data and we will send you a link to reset your password.

Your password reset link appears to be invalid or expired.

Log in

Privacy Policy

Add to Collection

No Collections

Here you'll find all collections you've created before.

Login