Conhecido pelo temperamento agitado à beira da quadra de vôlei, o técnico Bernardinho, 60, tem se ocupado de outras formas durante o período de distanciamento social.

Uma delas é pensando no futuro do esporte. Tanto sobre a sua prática em si quanto a respeito do lugar que a indústria esportiva ocupará na vida de uma sociedade pós-pandemia.

“Preocupa o fato de ele [esporte] ter ido um pouco para o final da fila de novo. Não ser visto como uma atividade relevante”, afirma o treinador à Folha. “É óbvio que neste momento a saúde e a sobrevivência das pessoas são o fundamental, mas, quando você pensa no futuro, o esporte tem uma função importante sob esse ponto de vista também.”

Neste ano, o técnico do time feminino do Sesc-RJ viu a Superliga de vôlei ser encerrada sem campeão há dois meses, por causa da Covid-19.

Na entrevista, ele fala também sobre a prática de meditação e seus planos para o futuro. “Quero continuar a ser técnico para sempre.”

É possível manter a busca pelo aperfeiçoamento do trabalho na quarentena? As horas em que eu estaria na quadra tenho dedicado a outras coisas. Muita leitura, conversa, reflexão, busca por conteúdo. Não apenas a respeito de voleibol, especificamente, mas sobre liderança, trabalho em equipe. Respeitando totalmente a quarentena, praticamente não saí de casa, e tenho cuidado de três níveis: físico, da forma possível; espiritual, comecei a meditar e estou tentando me manter em equilíbrio; e mental, que é produzindo e pensando no futuro. Também dou aulas online de empreendedorismo na PUC e tenho participado de muitos eventos relacionados a empresas e jovens que estão entrando no mercado de trabalho.

Como tem sido esse processo da meditação? Fiz um trabalho com um profissional chamado André Elkind, que é um amigo hoje e trabalha com isso. Praticamos juntos e agora tenho praticado sozinho. Pelo menos uma vez por dia, quando eu consigo duas, e me sinto bem. Sei de experiências de pessoas incríveis no mundo, como o [bilionário investidor americano] Ray Dalio, que atribui seu sucesso à meditação. Traz lucidez, clareza e acredito muito nisso.

Lidar com a incerteza de não saber quando será possível a volta do esporte no país o angustia de alguma forma? Tenho me ocupado mais do que me preocupado neste momento. Claro que não ter certeza sobre quando volta ou não volta e de que maneira volta é uma dúvida pertinente. Até porque esporte é aglomeração de pessoas, encontro de gente. Você pode ter uma disputa controlada e sem público, mas não é a mesma coisa. Que tipo de soluções vamos ter para a prática do esporte no futuro?

Confesso que me questiono muito, tenho buscado paralelos em outras atividades para ver qual seria o melhor caminho para o esporte, mas me preocupa o fato de ele ter ido um pouco para o final da fila de novo. Não ser visto como uma atividade relevante.

 » Read More

No Comments
Comments to: Preocupa o esporte ter ido para o fim da fila, afirma Bernardinho

Trending Stories

Scope of Fashion Industry Fashion has consistently been recognised to push the limits. With new ideas and trends, fashion has a focus on the future. The fashion industry will see enormous innovation in the upcoming years as modern technology, and changing customer demands and trends will transform the industry. With such stimulation and competition, the […]
close

Log In

Or with username:

Forgot password?

Don't have an account? Register

Forgot password?

Enter your account data and we will send you a link to reset your password.

Your password reset link appears to be invalid or expired.

Log in

Privacy Policy

Add to Collection

No Collections

Here you'll find all collections you've created before.

Login