Nos treinos de wrestling, judô ou jiu-jítsu, Aline Silva, 33, sempre se incomodou por ser minoria. Pelo menos 90% dos colegas eram homens. “Se você perguntar para outras mulheres que praticam luta, elas vão dizer a mesma coisa”, afirma.

Principal nome do wrestling brasileiro e com vaga garantida na Olimpíada de Tóquio, prevista para o próximo ano, ela comanda uma ação para aumentar o número de mulheres no esporte.

Em 2018, Aline criou o Me Empodera, projeto social no bairro Jardim Nova República, conhecido como Bolsão 8, em Cubatão, na Baixada Santista.

Ela não tem um número fechado, mas calcula que cerca de 150 meninas de 8 a 15 anos passaram pelo programa, que oferece aulas de wrestling e inglês. Com as turmas de garotas consolidadas, foram abertas vagas também para meninos, em horários diferentes.

“As aulas são separadas para garantir espaços em que, psicologicamente e emocionalmente, as meninas possam treinar um esporte em que a sociedade ainda desencoraja sua participação”, diz Aline.

Por trás da iniciativa está o desejo de que o wrestling possa ser para as garotas o que o judô foi para ela quando criança: a ferramenta que mudou sua vida.

A atleta foi internada em coma alcoólico quanto tinha 11 anos. Sua mãe, Lidia, que passava o dia inteiro fora de casa por causa do trabalho, ficou alarmada.

Tirou a filha da escola que frequentava e a colocou em outra, onde ela fez novos amigos e passou a ter outras influências. Foi quando descobriu o judô. Aline reconhece que o esporte alterou seu comportamento e lhe deu disciplina.

Anos depois, quando já era atleta do Centro Olímpico, em São Paulo, atendeu ao pedido do técnico para participar de uma competição de wrestling porque, segundo ele, seria parecido com o judô.

Depois de competir no Madison Square Garden, em Nova York, aos 17, e perceber que a luta tinha relevância internacional, apostou no esporte. Três anos depois, foi medalhista de prata no Mundial júnior. Obteve a mesma colocação no Mundial adulto de 2014, na categoria até 75 kg. Disputou a Olimpíada do Rio, em 2016, e perdeu nas quartas de final.

Em 2017, durante um intercâmbio nos Estados Unidos, teve a ideia e foi incentivada a criar o Me Empodera.

“O projeto é para poder equilibrar, desconstruir as mentes machistas e mostrar que as meninas podem, sim, ser o que elas quiserem. O problema é a sociedade achar que esportes de lutas são para homens”,

 » Read More

No Comments
Comments to: Projeto de wrestling inclui meninas e tenta se manter virtualmente

Trending Stories

Scope of Fashion Industry Fashion has consistently been recognised to push the limits. With new ideas and trends, fashion has a focus on the future. The fashion industry will see enormous innovation in the upcoming years as modern technology, and changing customer demands and trends will transform the industry. With such stimulation and competition, the […]
close

Log In

Or with username:

Forgot password?

Don't have an account? Register

Forgot password?

Enter your account data and we will send you a link to reset your password.

Your password reset link appears to be invalid or expired.

Log in

Privacy Policy

Add to Collection

No Collections

Here you'll find all collections you've created before.

Login