O Dia Internacional do Livro, comemorado nesta quinta (23), é de interesse do zagueiro baiano Wallace, 32. Quem o conhece bem, sabe que ele gosta muito de ler.

Com um perfil que foge ao estereótipo do boleiro padrão, o ex-atleta de Corinthians e Flamengo já chegou até a manter um blog sobre literatura, o wallaceleu.com.br, no qual compartilhava impressões sobre as leituras que fazia.

A imagem de intelectual do mundo da bola, porém, também serviu para aumentar a carga sobre ele na hora das críticas. Em qualquer erro do defensor, muitos torcedores aludiam à imagem de “filósofo” ou “escritor” para intensificar as reclamações.

O zagueiro, que hoje joga no Göztepe, da Turquia, diz que esse é o preço que ele e outros jogadores de futebol pagam por assumirem uma condição de protagonista fora das quatro linhas.

“Acho que há um paradoxo. A imprensa quer que o cara se posicione, porém o cara também fica em uma situação delicada, porque se ele se posiciona, é bombardeado. Como achamos o meio-termo? Ser diferente é difícil, e não estou falando de mim, que eu seja diferente, mas é difícil não seguir a mesma trilha de todos”, afirma Wallace à Folha.

“Tem uma grande falácia de que o atleta tem que pensar 24 horas em futebol. O que realmente querem? Que o cara busque conteúdo ou foque 24 horas no futebol? É querer demais que o cara que nem teve base educacional consiga um diferencial.”

Com o Campeonato Turco paralisado em razão da pandemia do coronavírus, o brasileiro, que vive na cidade de Esmirna, sudoeste do país, diz que lê de duas a três horas por dia (o mesmo tempo dedicado durante o campeonato) e também tem consumido conteúdos também em outras plataformas, como podcasts, algo que relata fazer há muitos anos.

Na Turquia, o governo instituiu toque de recolher, e a população está proibida de sair na rua a partir das 14h, segundo o zagueiro.

“Aqui, quando o presidente [Recep Tayyip Erdogan] determina, as pessoas cumprem. Até porque não é um modelo de democracia”, diz.

O tempo livre tem dado a algumas pessoas a oportunidade de colocar as leituras em dia. Para Wallace, porém, quem já não tem o hábito de ler dificilmente vai desenvolvê-lo agora, incluindo seus colegas jogadores. “[O isolamento social] é tão enfadonho que às vezes você fica impaciente. Ninguém vai sair um gênio depois dessa quarentena”, afirma.

Wallace começou a se interessar pelos livros quando ainda fazia testes na base do Vitória, no início da década passada. Ainda sem saber se o futuro lhe reservaria uma oportunidade no clube rubro-negro, o jovem baiano aproveitou uma biblioteca que a equipe tinha à disposição dos atletas no centro de treinamentos.

O primeiro livro que pegou emprestado foi “O Homem que Matou Getúlio Vargas”, de Jô Soares. “Li em quatro dias porque a história era intrigante. E nunca mais parei.”

 » Read More

No Comments
Comments to: Zagueiro habituado a ler diz que jogador que se posiciona é criticado

Trending Stories

Scope of Fashion Industry Fashion has consistently been recognised to push the limits. With new ideas and trends, fashion has a focus on the future. The fashion industry will see enormous innovation in the upcoming years as modern technology, and changing customer demands and trends will transform the industry. With such stimulation and competition, the […]
close

Log In

Or with username:

Forgot password?

Don't have an account? Register

Forgot password?

Enter your account data and we will send you a link to reset your password.

Your password reset link appears to be invalid or expired.

Log in

Privacy Policy

Add to Collection

No Collections

Here you'll find all collections you've created before.

Login