Pepe era técnico do Al-Ahli, do Qatar, em 2003. Após uma partida, ele foi chamado para conversar com o presidente, dono do clube e futuro emir do país, o xeque Ahmed bin Hamad Al Thani.

O chefe queria fazer uma pergunta para o treinador, mas o brasileiro não entendeu nada por não falar inglês. Pepe, então, chamou seu filho e auxiliar, Pepinho, para ajudá-lo. “Pai, ele disse que pode contratar o Guardiola e quer saber se você aceita”, traduziu.

Dezessete anos depois, a história ainda diverte Pepe, 84. “Como eu não iria aceitar a contratação do Guardiola?”, ele questiona, para em seguida cair na gargalhada.

Por quase dois anos, o então veterano volante espanhol atuou no Qatar. O Al-Ahli foi seu penúltimo clube antes de começar a carreira de treinador e se tornar um dos mais badalados da história.

Guardiola foi a contratação do futebol do Qatar com a cabeça no passado. De um tempo em que xeques e bilionários donos de equipes estavam mais preocupados com o próximo resultado do que com o futuro do esporte do país.

“Houve um jogo em que os xeques donos de dois clubes apostaram US$ 1 milhão em qual time venceria. O meu ganhou e eu fiz um gol”, disse o atacante Serginho, ex-Corinthians, Ã  Folha em 2003. Ele atuava pelo Al Sadd, que disputou o último Mundial de Clubes no país.

Foi naquele ano que Romário também assinou com o Al Sadd. Atuou apenas três vezes, não fez nenhum gol e voltou para o Brasil com US$ 1,5 milhão (R$ 6 milhões em valores atuais) do contrato.

Depois, outros atacantes badalados passaram por lá, mas já na curva descendente da carreira. O argentino Gabriel Batistuta confessou ter aceitado oferta do Al-Arabi, apesar das constantes dores no joelho, por causa dinheiro irrecusável.

“Os brasileiros no Qatar brincavam que eles [os dirigentes] plantavam uma roseira no quintal e saia petróleo”, relembra Pepe. Era competição entre eles, não apenas no futebol. Então, contratavam quem queriam. Às vezes consultavam o treinador, às vezes não.”

A influência sul-americana na formação do gosto do qatari pelo futebol está nos técnicos da seleção do país. Houve 37 até hoje, e 10 foram brasileiros.

“Quando eu cheguei ao Qatar pela primeira vez, em 2007, os jogadores tinham outros empregos, era um esporte semi profissional. Com o passar dos anos, eles foram investindo mais em formação e criando uma visão de longo prazo”, diz Sebastião Lazaroni, técnico da seleção brasileira na Copa de 1990 e responsável pela equipe qatari de 2011 a 2012.

“Eles sempre gostaram muito do nosso futebol e dos brasileiros. A família real do país adora futebol”, concorda Evaristo de Macedo, que dirigiu a seleção três vezes nos anos 1980

 » Read More

No Comments
Comments to: História e crescimento do futebol no Qatar passam por brasileiros

Trending Stories

Scope of Fashion Industry Fashion has consistently been recognised to push the limits. With new ideas and trends, fashion has a focus on the future. The fashion industry will see enormous innovation in the upcoming years as modern technology, and changing customer demands and trends will transform the industry. With such stimulation and competition, the […]
close

Log In

Or with username:

Forgot password?

Don't have an account? Register

Forgot password?

Enter your account data and we will send you a link to reset your password.

Your password reset link appears to be invalid or expired.

Log in

Privacy Policy

Add to Collection

No Collections

Here you'll find all collections you've created before.

Login